Análises, Série Reino (Mnet)

Especial Kingdom: Legendary War – To the world

O KPT está de volta para falar da segunda fase do Kingdom: Legendary War. Nesta primeira fase, o tema To the world tinha como objetivo que os grupos apresentassem músicas que mostrassem suas cores para o mundo. Antes que você prossiga, vamos dar um spoiler: nosso #1 foi unânime! Conseguem imaginar quem? Mas fora isso, vimos 6 apresentações bem boas e a cada semana ficamos mais curiosas para o que está por vir. Bora pro pitaco?


Favoritos da equipe

ATEEZ – Symphony No. 9 “From the Wonderland”

Byzinha

Favorito da equipe

🎖️

Quando acabou o episódio 2 com o teaser do episódio seguinte e tinha literalmente todo mundo chocado com a nota alta do Jongho, eu pensei “vai ser o maior erro-ou-acerto” da temporada e eu estava mais certa do que imaginava. Como o ATEEZ ficou na 5ª colocação na primeira prova, era de se imaginar que eles chegariam com os dois pés na porta tal qual fizeram no seu primeiro Immortal Songs, mas nada – NADA – poderia me preparar para o que foi esta reedição de Wonderland. Com uma narrativa coesa que ainda vai de encontro com as linhas do tempo da discografia do grupo, sem sombras de dúvidas esta foi a performance mais forte até agora. Como disse Eunkwang do BTOB, a apresentação não teve um defeito, vai ser difícil de ser superada e dá até medo de ver os próximos episódios, porque a temporada já começou tão bem.

E além disso, como Atiny que sou, era bem isso que eu esperava ver dos meus meninos. Na primeira rodada eles já tinham sido bons, mas desta vez… oof… outro nível.

iKON – Love Scenario + Killing Me Kingdom ver.

Sam

Meu problema com o Kingdom sempre foi uma coisa que parece ser exaltada pelo programa: as gimmicks, os truques e artifícios que deveriam acrescentar e elevar a apresentação do artista. Porque no Kingdom esse aspecto é praticamente abusado, como se fosse a coisa mais importante das performances, e alguns grupos acabam deixando de lado a energia em prol de sets e palcos impressionantes; um equilíbrio é possível (o ATEEZ essa semana que o diga), mas aquela história de menos é mais tem uma relevância gigante aqui. Isso porque o iKON sabe muito bem que seu ponto forte é carisma, e ao invés de usar 400 mil dançarinos e cenários gigantescos, apostam na performance em si, na capacidade que os rapazes tem de fisgar o espectador através de sua coreografia e cantoria. E foi um acerto enorme. A mistura de Love Scenario, a parte fofinha, com Killing Me, o lado mais ~sombrio e energético, foi bem conceituada e inteligente, e, apesar de achar que eles poderiam ter expressado a ideia de forma mais clara, eu adorei que eles não precisaram de tanto pra mostrar seu talento. E, bem, foi entretenimento puro. A versão disco de Love Scenario ficou adorável, e a transição pro hype de Killing Me não foi tão abrupta, o que é legal. Tem dancinhas, tem boas vozes, tem historinha, tem o que realmente precisa pra ser uma BOA apresentação e por isso ela foi uma das minhas preferidas. Dito isso, se eu fosse responsável pelo iKON, faria todas as músicas só com o Junhoe cantando porque A VOZ DESSE RAPAZ!!!!!!!! Por favor, cante minha vida, Junhoe, literalmente nunca te pedi nada.

Estou surpresa por estar curtindo tanto um grupo cuja música não me agrada tanto? Talvez. Quero que façam uma apresentação absurda de Dumb & Dumber em algum ponto no programa? Absolutamente.

BTOB – Missing You Theatre ver.

Cambs

A verdade é que até agora eu não sei se deveria falar BTOB ou The Boyz aqui como favorito, mas Missing You pra sempre vai ter um lugarzinho no meu coração (que é maior que o de No Air, shhh) então essa música somada ao conceito de estações e elementos culturais coreanos deixou tudo mais que ótimo. O BTOB sabe que seu ponto principal são os vocais angelicais de diferentes cores e tons que juntos formam uma harmonia incrível. Peniel e Minhyuk também mostram que o rap do grupo não fica para trás. Então é investindo no que se sabe fazer e mostrando que menos é mais, eles mostraram que não é preciso um budget gigante pra fazer o que arte propõe: sentir. Missing You por si só já era uma nostalgia melancólica, mas aqui ela ganha uma pitadinha de esperança no final com a chegada da primavera. Outro ponto importantíssimo é que tivemos Minhyuk fazendo lutinha de espada… Ok que a quebra musical de um segmento para o outro foi um pouco estranha (assim como todas as quebras de todos os stages dessa rodada), mas imagina não gostar do Minhyuk fazendo lutinha de espada? Nessa economia? Pff.

Demais performances

Os grupos de uma maneira geral começaram a se expandir e a colocar o pezinho na porta aqui e ali. O The Boyz surpreendeu bastante todo mundo com a versão super dramática de No Air que foi condizente com o nome A Song of Fire and Ice. Os meninos inventaram bastante com água, fogo e o movimento de POV (point of view, aka ponto de vista) na câmera e foram muito elogiados pelo uso deste estilo videogame. A gente só acha que eles podem inventar um pouquinho menos em um único stage e parar de fazer o Sunwoo voar por ai, coitado. O SF9, entretanto, nos causa preocupações porque a gente sabe que os meninos são bons, mas é a segunda vez que eles ficam naquele Quase. Parece que eles estão na dúvida entre apostar no que sabem fazer e seguir o que se espera ver de um grupo nesse programa. A apresentação de Now or Never foi sofisticada como esperado, mas Faltou Algo. Talvez tenha a ver com o grupo não conseguir se reunir com frequência para ensaiar, devido às agendas solo, ou talvez o Rowoon realmente seja o ponto de equilíbrio, não sabemos dizer ainda. Esperamos que na próxima rodada eles batam o pé no chão pra mostrar todo o talento dos gigantes, por que aqui o conceito incrível de perfurme ficou a desejar.

Já o Stray Kids foi fortíssimo na sua apresentação e foi meio que o único grupo que mesmo usando quebras fez um mashup real de duas músicas. Nós também adoramos ver God’s Menu (um musicão) e Side Effects (com a qual temos uma relação de amor e ódio) sendo misturadas. Alguns pontos negativos pros meninos, no entanto, provavelmente foram a distribuição estranha dos elementos de palco, os vocais instáveis e o fato de continuarem sub-utilizando a capacidade vocal do grupo com uma apresentação majoritariamente voltada pro rap. Em análises antes do início do programa, muito foi dito sobre como o SKZ tem sido 3RACHA e Amigos, e como isso poderia ser o ponto fraco deles, e estas análises podem estar corretas.


Ranking parcial

Ao final do episódio 3, foram revelados os pontos referentes aos votos dos especialistas e dos próprios grupos, que equivalem a 50% da pontuação final. A votação global rolou entre 15 e 18 de abril através do app Whosfan. Essa votação vai contar para 40% dos pontos, e os outros 10% ficam por conta dos streams no Youtube e Naver.

O ranking que temos até o momento é o seguinte:

  1. ATEEZ
  2. Stray Kids
  3. The Boyz
  4. BTOB
  5. iKON
  6. SF9

A questão dos rankings gerou bastante comentários na internet, porque a gente sabe que a MNet…. Foi a MNet. Não fazendo nem questão de esconder a palhaçada, além dos números serem estranhos e em sequência, o time de “experts” anônimos merecem pelo menos pisar em dez peças de lego cada um.

Mas como nós somos pessoas do bem e talvez só um pouco biased, o que importa aqui são os nossos rankings, que nós ainda passamos mal pra fazer. Dá uma olhadinha:

Ranking do KPT

By

  1. ATEEZ
  2. The Boyz
  3. iKON
  4. BTOB
  5. Stray Kids
  6. SF9

OBS: Foi muito difícil rankear do 3 ao 6, todos eles foram muito bem T_T

Cambs

  1. ATEEZ
  2. BTOB
  3. The Boyz
  4. iKON
  5. Stray Kids
  6. SF9

Sam

  1. ATEEZ
  2. The Boyz
  3. iKON
  4. Stray Kids
  5. BTOB
  6. SF9

Mais uma rodada passou, e aos poucos a gente vai tentando entender como a MNet vai organizar as pontuações – a parte que nos deixa incomodadas – só que o mais legal é ver os grupos reagindo uns aos outros. O SF9 conseguiu ter um pouco mais de tempo de tela no episódio 3, o que é uma vitória. E o melhor é que a batalha pelo primeiro lugar mesmo tem sido quem é o Melody #1 do elenco, então estamos adorando essa parte.

Agora, a fase “Re-Born” irá começar. Nela, os grupos serão pareados e um precisará fazer cover da música do outro. Quem escolheu primeiro foi o ATEEZ, e sabemos que Stray Kids foi pareado com BTOB (as outras duplas, parece, são ATEEZ-iKON e SF9-The Boyz), mas só saberemos quais serão os covers mesmo quando o episódio sair no dia 22 de abril.

O que você está achando do Kingdom até agora? Já tem algum favorito? Conta pra gente nos comentários ou lá no twitter!

Kingdom: Legendary War é exibido às quintas-feiras, 7h50 da manhã, com transmissão ao vivo no canal da Mnet no Youtube. O episódio fica então disponível com legendas em inglês no Viki e 7 fanbases se organizaram para fornecer a legenda em português. Todo processo das legendas leva de 1 a 2 dias para ficar disponível.

One thought on “Especial Kingdom: Legendary War – To the world

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *