Análises, Série Reino (Mnet)

Especial Kingdom: Legendary War – Re-born

Mais uma fase do Kingdom veio e foi, e desta vez o subtítulo foi…. “Re-born”! Com todas as performances finalmente disponíveis para o mundo, nossa equipe novamente encontrou o que falar e já vamos adiantar que não houve unanimidade desta vez.

Para a fase Re-born, os grupos foram pareados de acordo com a escolha dos com melhor classificação e um teve que pegar a música do outro e fazê-la >renascer<. A classificação foi baseada na parcial da primeira fase, então o primeiro a escolher foi o ATEEZ, que optou por fazer uma troca com o iKON. O segundo grupo a escolher foi o Stray Kids, que resolveu trocar com o BTOB, e por fim The Boyz e SF9 automaticamente formaram também uma dupla.

Depois de duas performances, os participantes já têm uma boa ideia de qual direção tomar nas apresentações. Além disso, os tais “jurados especializados” entregaram suas anotações para a equipe organizadora, que passou o feedback da primeira fase para os grupos, e de acordo com este feedback, eles tiveram um norte melhor sobre o que é esperado deles, assim como quais foram seus pontos fortes e fracos.

Como comentamos no post anterior, o ATEEZ não teve nenhum defeito (sério), e isso também foi apontado pelos jurados. Já as demais equipes receberam feedbacks positivos e negativos. Por exemplo, foi apontado ao BTOB que lhes faltou uma narrativa para que a performance fosse Perfeita, e para o SF9 – que foi nosso unânime como a performance menos boa – disseram onde eles pecaram. Em resumo, o KPT mais uma vez prova que sabe do que está falando.

Para quem assiste os episódios inteiros (o que, na nossa equipe por enquanto é só a By), foi interessante ver o que os jurados disseram sobre os grupos e como eles aplicaram o feedback. Melhor ainda, foi ver como os que entenderam o recado realmente apresentaram um palco muito melhor. Mas bora saber o que o KPT mais gostou?


Favoritos da equipe

BTOB – Back Door

Byzinha

Sendo honesta, BTOB não foi meu #1 nem meu #2, mas definitivamente foi uma das performances que mais me divertiu nesta temporada inteira. Talvez tenha a ver com o Minhyuk tirando a roupa? Ou talvez eu esteja começando a arrastar asa pro Changsub agora que Ilhoon saiu e Sungjae está no exército? Não vou confirmar nem negar. Pro tamanho do choque que eles tomaram quando o Stray Kids os escolheu para fazer a troca de música, o jeito que eles pegaram Back Door e transformaram numa versão rock que ainda assim foi Inegavelmente BTOB, não existem palavras pra descrever o quão sensacional ficou. Acatando a crítica sobre a narrativa, o BTOB fez bom uso do conceito sem precisar dar cambalhota no ar e o primeiro drop (do Minhyuk) foi um novo nível de bad ass. Os raps – tanto do Huta quanto do Peniel – foram ótimos e salvaram minha vida.

Falando friamente, não houve uma mudança drástica do cover para o original (como foi com Inception, Rhythm Ta e O Sole Mio), mas a reestruturação em rock e as harmonizações deram uma nova nuance para esta que já era uma excelente música do Stray Kids (provavelmente top 3 da carreira dos meninos). BTOB mandou bem de mais, estava confortável no palco – mais do que nas apresentações anteriores – e ainda esbanjou carisma, cada um dos quatro. A única pena, e isso é algo que quem só assiste as performances nem vai conseguir reparar, é que Changsub estava um pouco doente, então ele não participou muito do episódio e estava claramente abatido, embora não tenha deixado transparecer na apresentação. Profissionalismo o nome, mas também vá descansar, moço!

(OBS: Ele foi e probs não vai aparecer no próximo episódio tal qual aconteceu com a Wheein no Queendom. Mas não se preocupem, ele já está recuperado e de volta!)

ATEEZ – Rhythm Ta (The Awakening of Summer)

Sam

O ATEEZ fez uma performance absurda na última fase (que sinceramente era motivo para terminar o programa ali, já que ninguém ia conseguir fazer melhor), então os olhos e expectativas da pessoa que vos fala estavam neles. “Será que eles vão se superar?”, me perguntei. Bem, a resposta é não, não se superaram, mas isso não significa que a performance foi ruim – no meu ranking eles ficaram em segundo, empatados com a interessantíssima apresentação do The Boyz –, só que não conseguiram bater na versão emocionada e encapetada de I’ll Be Your Man do Stray Kids.

Catando o hit do álbum de debut do iKON, que é icônico por si só, o ATEEZ deu jeito de mudá-lo completamente, colocando suas cores e animação numa faixa mais calma. Começar uma música forte com quase sussurros, como se estivessem nos contando um segredo, foi inesperado, mas bem-vindo. Adicionar mensagens de rebeldia contrariando a censura e chamando o público para fazer arte e abrir o terceiro olho? Bom demais. Tacar anarquismo sem sutileza alguma nas nossas caras? Loucura. San ladrão, roubando meu coração, Seonghwa de cabelo vermelho e Hongjoong com aquela vibe de quem sabe o que está fazendo enquanto solta sua versão do “MWOHAE” do Bobby? Tudo pra mim.

Foi bom demais. Menos extra que semana passada, mas interessante e divertido, com boa coreografia e mudanças corajosas no instrumental. Adorei e quero ver muito mais desses rapazes, é isto.

Stray Kids – I’ll Be Your Man (Stray Kids Ver.)

Cambs

Na semana em que o Kingdom começou, ou até um pouquinho antes, na verdade, rodou pela internet um rumor sobre a rodada de troca dos grupos. Neste rumor dizia que Stray Kids ia ficar com I’ll Be Your Man, do BTOB e assim… Eu falei que poderia funcionar, mas que seria perigoso pelo nível de dificuldade da música não só para o próprio BTOB, mas também para os meninos que sempre vão mais para o rap e tem o 3RACHA como um eixo mais “principal” do grupo. Então quando isso foi confirmado, a única coisa que a gente podia fazer era esperar pra ver qual dos dois únicos caminhos possíveis o Stray Kids ia tomar: ser muito bom ou um tragédia…… E a felicidade que eu e muita gente, incluindo o próprio BTOB, sentiu quando eles mandaram TÃO bem nesse stage foi assim ó: outro nível.

Han Jisung chegou com os dois pés na porta e mais uma mão pra mostrar que é all-rounder SIM e deixou todo mundo de queixo caído com o vocal durante o cover. Nós sabíamos do Seungmin, mas foi ótimo ouvi-lo nesta música. Minho e Jeongin não ficaram para trás, do mesmo jeito que o BangChan – que foi aparecer mesmo só lá no final, o que também foi uma surpresa – lembrou que também canta. Felix com aquele vozeirão Sempre vai ser uma surpresa nas músicas e ele sendo arrastado por homens bonitos bombados foi cinema poético, e obviamente não dá para não falar do Changbin que… incrível, um beijo pra ele.

A história do palco foi Dramática, bem digna de I’ll Be Your Man mesmo, enquanto eles não apenas reconheceram até onde conseguem ir e expandiram isso, pegando muita gente de surpresa. Porque, assim, nós sabemos que eles sabem cantar, só que não Assim, entende? Fora isso, kudos para o ator mirim que apareceu com os meninos e por toda a ambientação e dança… E kudos extras pro Minho e pro Felix porque eles são os meu bebês ok?

A minhas única tristeza em relação a esse stage é que com toda certeza o Hyunjin cantaria lindamente um dos refrões. Fiquem tristes comigo pensando nisso agora, obrigada.

Demais performances

Antes de mandar aquela opinião sobre os outros três stages, nós temos algumas pontuações mais gerais rapidinhas: a primeira é uma pergunta antiga e que ainda não quer calar que é QUANDO que a Mnet vai pagar um cursinho de câmera pra galera? Porque, assim, entendemos que é complicado pegar tudo em câmera, mas a galera é sem condições, viu. Segundo que: também tá faltando uns cursinho do SENAI pra galera do áudio, que ainda tá meio na dúvida de como controlar volumes de microfone (e mixagem de som, mas isso aqui é mais para os grupos mesmo, então). O terceiro ponto pode ser meio relativo, mas rolou umas dificuldades com iluminação aqui e ali, então deixamos aí no ar.

Dito isso, vamos para o que interessa mesmo que é os stages dos grupos. Lembramos que não existem stages ruins no Kingdom. Nenhum. Só Menos Bom. Porque é assim que funciona, dito isso… Tivemos dois plot twists nesta rodada que foi com o SF9 e o The Boyz, os grupos que trocaram de música.

A gente sabia que as coisas iam melhorar quando a galera começasse a tirar a roupa, e foi isso que o SF9 fez. Na verdade eles só aplicaram o feedback que receberam e tiveram uma consultoria sobre como aplicar um conceito e fizeram muito bem. O cover de The Stealer ganhou um ar Noir classudo, que é algo que o SF9 sempre tem, então gostamos. Tem uma história que fez sentido, tem os meninos sendo muito bonitos e a gente teve momentos ótimos de dança em grupo sincronizada que eles sempre mandam muito bem. Os maiores problemas, que nem foram tão grandes assim, é que sentimentos falta de um tiquinho só da coreografia original de The Stealer que ficaria ótima com todos os dois metros de perna que o SF9 tem. E… talvez muita arma. Arma na história, arma na dança… Mas A+ pra lutinha em POV de faca com o lindo do Zuho, viu.

Já o The Boyz foi a surpresa da rodada para a equipe porque… Ficou no quase. Não perguntem, a gente olha pro teclado e não sabe o que dizer porque sem condições. Não foi uma apresentação ruim, só que ela foi um Quase. Para quem assistiu o episódio – ou só leu o título Red Wedding (Casamento Vermelho) – e conhece a referência vai olhar para o stage dos meninos e pensar… ué cade o tal Red Wedding? O diabo está nos detalhes, como diz o ditado, mas o diabo também não é confiável, então o conceito de Red Wedding – tirado de Game of Thrones – ficou ali, perdido em detalhes.

O The Boyz nunca falha em contar uma história no palco, isso é um fato, então o que tivemos desta é muito mais uma releitura de Moulin Rouge, do que qualquer outra coisa. Moulin Rouge, inclusive, da trilha El Tango De Roxanne utilizada na apresentação dos meninos (o que fez a gente chorar ainda mais por ser um Quase). Além disso também teve muitas pausas estranhas e os básicos problemas globais de mixagem de som de uma parte para outra. Fora isso, os meninos estavam lindos como sempre, um salve extra para Juyeon e Sangyeon, o cabelinho lindo do Sunwoo que mandou um Amor Eterno e a coreografia – tanto individual, em units e em grupo – que foi ótima. Agora, uma pergunta: quando que a Mnet vai dar um close no Chanhee fazendo high note, gente?

(E também um salve extra para o Younghoon que não apenas estava lindo – como sempre -, mas mandou um “Ego Dormio” naquele tom baixo. Tem gente (a Cambs) que passa mal)

Por fim, mas não menos importante, o iKON segue conquistando todo mundo e mais um pouco sempre que aparecem no palco. Começando não apenas com ChanWoo de protagonista da história, os meninos também utilizaram o filme Inception (A Origem, no Brasil) como conceito, e a gente gosta desse filme numa quantidade normal. Utilizando elementos da construção de sonhos no palco, o iKON deu uma vida completamente nova à Inception que nos deixou… esperem por isso… In Love. Eles também não esqueceram de mandar uma quebra musical no final que é a cara de um grupo da YG e a gente também teve o Bobby se empolgando tanto que esqueceu de seguir cantando. Cinema poético.

Todos os grupos fizeram o que se espera de um cover: pegar uma música e fazer ela parecer sua. Então gostamos muito dos resultados, tal qual gostamos de ver a galera se divertindo no palco (sim BTOB e Bobby, estamos olhando para vocês).


Ranking

A contagem de pontos seguiu o mesmo padrão da fase anterior: 25% dos jurados especiais, 25% da auto-avaliação, 40% da votação global e 10% das visualizações no Youtube e Naver. Então, como esperado, nós só descobrimos quais foram as notas dos jurados e dos próprios grupos. A votação global foi entre 29 de abril e 1 de maio e provavelmente descobriremos o que rolou no programa desta quinta (6).

No mais, vamos deixar pra vocês dois rankings parciais: o da fase 2 e o parcial geral, que é a somatória de todos os pontos já divulgados até o momento.

Parcial Fase 2

  1. ATEEZ
  2. SF9
  3. BTOB
  4. iKON
  5. Stray Kids
  6. The Boyz

Parcial Geral*

  1. ATEEZ
  2. Stray Kids
  3. BTOB
  4. The Boyz
  5. iKON
  6. SF9

*A contagem do ranking Parcial Geral é feita pelos fãs somando a pontuação que já foi divulgada pela Mnet. Entretanto, o canal ainda não divulgou os pontos globais nem o ranking oficial

Vale lembrar que embora a gente saiba qual a classificação dos grupos na segunda metade de pontos da fase 1, nós não sabemos quantos pontos cada um tem, por isso não temos ideia do que vai acontecer, visto que a votação global pode mudar a história de todo mundo, especialmente os que ficaram entre os 3 mais votados.

Como a Mnet usa um sistema percentual de pontos, e nós não temos a menor ideia de quantos por cento cada grupo levou, fica mesmo impossível prever. Pense no seguinte: se o primeiro lugar ficou em primeiro com uma % absurda de votos (digamos… 70%), isso quer dizer que os outros 5 grupos dividiram 30% de votos. Ou seja, quem ficou em segundo lugar provavelmente não vai levar uma pontuação relevante o suficiente pra fazer a diferença na pontuação final. Mas se a votação foi distribuída com porcentagens mais próximas, a quantidade de ponto pra cada um vai ser bem parecida e ninguém vai disparar na frente.

Difícil de entender, né? Pois é, nem a gente entende direito, a gente só torce pra estar seguindo a linha de raciocínio mais ou menos direito.

MAS nós também temos o nosso ranking, que a cada rodada fica cada vez mais difícil de fazer, então choramos um pouco talvez bastante. Olha:

Ranking do KPT

By

  1. ATEEZ
  2. iKON
  3. BTOB/SF9
  4. Stray Kids
  5. The Boyz

Cambs

  1. BTOB
  2. Stray Kids
  3. ATEEZ
  4. SF9
  5. iKON
  6. The Boyz

Sobre rankear as coisas: #help

Sam

  1. Stray Kids
  2. ATEEZ/The Boyz
  3. iKON
  4. SF9
  5. BTOB

Ao que parece a próxima fase será com sub-units, bem parecido com o Queendom. O subtítulo concedido foi “No Limit”, porque a Mnet é dramática assim mesmo. Pelo que entendemos na prévia, primeiro os grupos serão divididos em batalhas 3 x 3 nas posições Vocal, Rap e Performance. Cada grupo terá que ceder um membro para cada categoria.

A segunda parte desta fase fica por conta dos demais membros de cada grupo. Separadamente (ou seja, sem ser no formato 3 x 3), eles deverão fazer uma “performance sem limites” – em outras palavras: YOLO. Vale tudo, até chamar convidados especiais para se >amostrar< melhor.

MAS, antes de tudo, teremos um dia do esporte para ver os meninos se conhecendo melhor e sendo adoráveis, além de novamente ver iKON e BTOB adotando as crianças, o que sempre é válido. Outra coisa que estamos ansiosas pra ver melhor é o Chani pegando no pé do Chanwoo. Amizade boa. Amizade longa. Amizade verdadeira.

Por fim, vale reforçar também que nenhuma das performances até agora foi Ruim. Elas apenas foram as Menos Boas. E por mais que cada um de nós tenha seus favoritos, o que mais importa mesmo é ver um monte de apresentação incrível e os membros dos grupos interagindo, se conhecendo e ficando próximos, alguns até virando amigos.

A Mnet pode até fazer a gente passar raiva com sua edição tendenciosa, mas quando nós vemos o que realmente importa, bate aquela alegria na qual nos apegamos e continuaremos nos apegando até a temporada acabar.

Kingdom: Legendary War é exibido às quintas-feiras, 7h50 da manhã, com transmissão ao vivo no canal da Mnet no Youtube. O episódio fica então disponível com legendas em inglês no Viki e 7 fanbases se organizaram para fornecer a legenda em português. Todo processo das legendas leva de 1 a 2 dias para ficar disponível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *