Análises, Série Reino (Mnet)

Especial Kingdom: Legendary War – No Limit (parte 1)

Estamos aqui novamente para falar de uma fase do Kingdom que chegou em duas partes. A primeira parte da prova já está completa e disponível para todo mundo e a nossa unanimidade da vez foi sofrer.

Depois de uma semana levinha com o dia de esportes, finalmente chegou o momento de ver o que aconteceu com a química iniciada lá naquele campo de futebol e como ela seria transmitida no palco. Em No Limit (parte 1) nós tivemos as famosas sub-units – aqui na nossa equipe, a parte que mais queríamos ver. Os grupos foram escolhidos pelo ATEEZ, que até então estava em primeiro lugar no ranking. Como seus companheiros de equipe, eles escolheram BTOB e Stray Kids, automaticamente deixando iKON, The Boyz e SF9 como o time rival.

(ironicamente, os times formados são topo do ranking vs. fim do ranking, mas a gente não tem nada a dizer sobre isso.)

Dentro destes times, os membros deveriam se dividir entre vocal, performance e rap. No caso do BTOB, eles tinham apenas 3 membros disponíveis porque Changsub estava adoentado, mas ele se recuperou a tempo de participar da parte 2.

Bora ver o que nossa equipe achou desta fase?


Favoritos da equipe

Vocal

Cambs

Essa provavelmente foi uma das rodadas mais difíceis de decidir e escolher um favorito, então se você me ver fazendo textão para as duas performances, é porque elas mereceram! Mesmo que no KPT a gente já espera que vocal seja algo de balada e nós não somos Tão Fãs assim desse estilo, existe sempre uma coisa mágica em baladas boas: o sentimento. Muita gente sabe que cantores bons são aqueles que nos fazem sentir a emoção que a música quer passar, e foi exatamente isso que as duas performances fizeram (e é por isso que fica tão difícil escolher uma só entre as duas!!).

A performance favorita de quem vos fala foi a do time It’s One formado por Junhoe e Jinhwan (iKON), Inseong e Jaeyoon (SF9) e New e Sangyeon (The Boyz). A música escolhida pelos meninos foi Spark, da Taeyeon (o que me fez escolher ela porque eu gosto de Spark um tantinho mais que Love Poem, mas shh)… Eu não sei nem por onde começar a opinar aqui, mas vamos por partes porque, assim, eles já começaram com um acapella harmonizando e caras… meme da mulher pepita arrepiada bem aqui. A harmonia das vozes, não apenas juntas, mas como os tons suaves se ligavam um com o outro e contrastavam entre si… E o vocal rasgado do Junhoe caras GENTE DO CÉU, tenho nem vocabulário pra isso. Foi tão bonito, foi emocionante, foi puro !!!. Infelizmente a performance teve literalmente apenas um (1) erro que acabou custando pontos, que foi a falha da nota alta do Inseong. Mas deixando bem claro aqui que se falar mal do Inseong vai levar paulada, principalmente porque isso deve ter acontecido pelo cansaço de Kingdom + treino do musical que ele faz parte, então já sabe…. Mas mesmo assim, kudos para ele por ser lindo e principalmente por ter sido profissional de verdade e continuar com a nota, mesmo já tendo percebido que não tinha dado certo.

Fora isso não teve defeitos e foi simplesmente LINDO de se ouvir, cada um deles se complementou de maneira incrível e a gente finalmente teve closes no New enquanto ele cantava e aumentava a nota, então valeu demais. E… sério gente, os vocais do Junhoe aqui olho pro teclado não sei nem o que dizer, só sentir.

E eu avisei que teria textão para os dois grupos, porque a performance de Love Poem, da IU, com o MayFly, provavelmente é o que você escuta quando chega no céu. Com Eunkwang (BTOB), Jongho (ATEEZ) e Seungmin (Stray Kids) sendo as marias gritadeiras que nós gostamos, o jeito que os três harmonizaram foi digno de anjos. Tal qual o time de Spark, as harmonias das três vozes aqui foram simplesmente TÃO boas e todas elas foram rotacionais em os três ou dois dos integrantes, o que deu um frescor extra. Eles também se complementaram de maneira esplêndida e a gente até teve momentos de tons e registros um pouco mais baixos do que estamos acostumadas.

Não tem NENHUM defeito e o Eunkwang é o próprio pai dessas crianças e a melhor parte é que todos os três tiveram seu momento de brilhar, sem ofuscar o coleguinha o que é praticamente mais uma harmonia desse grupo. Da série coisas que não sabíamos que precisávamos, mas que totalmente precisamos.

Rap

By

Claramente sou a pessoa adequada para falar de hip hop, mas estou aqui organizando meus pensamentos que consistem em [BERROS] então por favor, relevem se eu não fizer muito sentido.

Sendo a fase que eu mais esperava assistir, minha expectativa estava alta para as performances e até hoje fico oscilando qual apresentação gosto mais. Diferente do Queendom, desta vez os grupos puderam mandar quantos membros quisessem para cada unit, então o MayFly foi com 3RACHA (Stray Kids), Hongjoong (ATEEZ) e Minhyuk (BTOB), enquanto que o It’s One selecionou Bobby (iKON), Hwiyoung (SF9) e Sunwoo (The Boyz) como seus representantes.

Falando de maneira técnica, a performance do MayFly foi mais elaborada do que a do It’s One – os props, dançarinos, impacto e quantidade de membros eram muito mais chamativos do que o do grupo rival. Mas olhando exclusivamente para as músicas, as duas são igualmente ótimas. O maior problema, talvez, tenha sido que os temas eram bem semelhantes, por isso foi mais fácil de escolher o time vencedor, mas não dá pra apontar problemas em nenhuma das performances. Como fez a Cambs, vou discorrer sobre as duas performances um pouco melhor, começando por It’s One.

Os meninos do It’s One fizeram juntos a música Full DaSH, que vai naquele conceito fedido e ousado que eu amo. Liderados pelo Bobby (um dos artistas mais “Eu Faço O Que Eu Quero” da Coréia do Sul), Hwiyoung e Sunwoo incialmente estranharam a liberdade de poder fazer o que quisessem também, mas pouco a pouco foram se soltando e ficando à vontade. Quando chegamos na performance em si, os três estão muito confortáveis e fica evidente a química que formaram (tanto que sabemos que eles continuam em contato, mesmo após a fase de unidades). Full DaSH é divertida, metida a besta e mostra uma malemolência já familiar para os fãs do Bobby e bem vinda para os fãs do Hwiyoung e do Sunwoo. Embora a produção do palco tenha sido (propositalmente) minimalista, o trio estava leve, relaxado, e entregou uma performance ÓTIMA de dar gosto. Ver aqueles sorrisos somado àquela música boa foi uma das melhores coisas que aconteceram neste programa – especialmente vindo dos meninos do SF9 e The Boyz, que já estavam tão tensos com os rankings. Foi uma excelente apresentação e eu vivo voltando pra ela.

Já o MayFly estava com 5 membros, e sua química instantânea gerou o apelido 5RACHA. Juntos no estúdio da JYPE, eles criaram organicamente a faixa Colours, que é divertida e colorida – como proposto. A letra falava sobre igualdade, levantando uma pauta crítica de maneira leve, e mesmo com 5 rappers, eles conseguiram dividir bem as linhas e dar tempo para cada um brilhar. Ajudou bastante que todos os meninos do grupo já fossem naturalmente cheios de confiança, então o conjunto da obra foi, em termos populares, bem pauzudo, especialmente a killing part do Minhyuk. Com uma faixa tão boa quanto, o diferencial, como falei anteriormente, foi todo floreamento da performance. Colours, assim como Full DaSH, é um stage que vivo voltando a assistir e se dependesse de mim os grupos teriam saído empatados.

Performance

Sam

Vamos começar isso na sinceridade: eu só peguei as units de performance porque fui informada que uma delas escolheu a melhor música ruim de todos os tempos, Wolf, do EXO, como trilha sonora. E ainda assim eu estava de coração aberto para a equipe It’s One, porque sempre estou disposta a me surpreender. A parte mais interessante é que cada time escolheu um estilo diferente: um artístico, emocional, focado na dança e na beleza dos movimentos do corpo, e o outro energético, intenso, tentando ser visceral com sua coreografia. Os dois foram muito bem com suas propostas, mas ambos tiveram seus lados sem graça no meio do caminho.

O It’s One – que foi com Juyeon (The Boyz), DK (iKON) e Taeyang (SF9) – trouxe uma história que não foi trabalhada o suficiente na performance e fez dancinha com uma espada pela milésima vez no programa, o Mayfly – que foi o maior grupo das units, contando Felix, Lee Know, I.N (Stray Kids), Seonghwa, Yunho, San, Wooyoung, Yeosang (ATEEZ) e Peniel (BTOB) – com pausou durante trinta anos para o Peniel fazer suas coisas e se repetiu muito no instrumental. Eu curti ambos, mas nenhuma das apresentações me animou o suficiente. Faltou aquele ingrediente a mais, o fator “wow”, aquela parte que ia me dar certeza de quem era meu preferido. Não quero soar como o Estadão, mas escolher um favorito nesse episódio foi muito difícil.

Então cá estou eu, dizendo que, no fim das contas, o gurae ulf, naega ulf leva essa. A história é simples e uma mudança mais animada no instrumental e um refrão a menos teria melhorado a performance, porém dá pra entender o conceito, que foi bem executado, a coreografia é ótima e o San deu absolutamente TUDO na dança, principalmente no final. Adorei que o One foi na fé e criou uma bela apresentação com apenas 3 pessoas, mas eu estaria mentindo se não tivesse ficado impressionada com as habilidades dos pés e pernas do MayFly, e fiquei EXAUSTA assistindo os moços bailando. Então, sim, Wolf é a melhor música que já existiu, meus parabéns pros rapazes do MayFly por seus cérebros gigantescos.


Ranking

Finalmente a Mnet divulgou todos os pontos das duas primeiras fases e divulgaram o ranking parcial geral do programa, vamos falar dela daqui alguns parágrafos. No dia de esportes, cada jogo valia pontos, mas nenhum daqueles pontos contavam para a pontuação final, foi só pela diversão mesmo.

Quanto aos 15 mil pontos que seriam distribuídos nesta parte de unidades, os únicos votantes eram 33 jurados in loco. A banca de jurados era composta por CEOs, produtores, idols seniors e juniores e contava com nomes como Rhymer (BrandNew Music), Shindong e Donghae do Super Junior, os grupos TRI-BE e Mirae e a coreógrafa Lia Kim, entre outros.

Cada unidade valia 5 mil pontos que seriam distribuídos entre os grupos do time vencedor. Ou seja, era outra prova tudo ou nada, com o time perdedor não levando nenhum ponto pra casa. Por isso o time It’s One estava bem preocupado. Se eles levassem os 15k pontos, a tabela se inverteria, mas se perdessem todos, a diferença de pontos (que já é de pelo menos ~2k pontos) ficaria inalcançável.

Bom. Mnet.

Quanto à parte 2, voltamos aos critérios anteriores (25% juri, 25% grupos, 40% global, 10% digital), então já sabem né? Depois do episódio do dia 22, é hora de tirar a poeira do seu Who’s Fan para poder votar nos seus DOIS grupos preferidos. Pois é, esta é a única mudança até onde sabemos. Ao invés de 3 votos, teremos 2 naquele mesmo esquema: TEM que votar em dois grupos diferentes.

Os pontos digitais de iKON e Stray Kids já foram concluídos, já que a apresentação deles foi no episódio passado, mas o stream nas outras 4 performances durará pelo tempo da votação e ambas terminam ao meio dia de domingo (30/5).

Fiquem atentes também pois a final é na próxima semana (3/6), então muito em breve também serão liberadas as músicas de comeback que serão apresentadas no programa ao vivo. Se o esquema permanecer o mesmo das temporadas anteriores, os pontos digitais destas músicas terão mais peso para a classificação final dos participantes.

Ranking parcial geral

O time MayFly, composto por BTOB, ATEEZ e Stray Kids ganhou as 3 rodadas, então cada grupo ganhou 5k pontos que serão somados à pontuação da segunda parte desta rodada e à pontuação parcial geral. Quanto ao ranking geral até a segunda fase, nos encontramos assim:

  1. Stray Kids
  2. ATEEZ
  3. BTOB
  4. iKON
  5. The Boyz
  6. SF9

Vocês já sabem que nós sempre sofremos para fazer o ranking do KPT, e essa semana foi igual, talvez um pouquinho pior, mas aqui estamos com as nossas lágrimas em forma de ranking:

By

Vocal
  1. MayFly
  2. It’s One
Rap*
  1. It’s One
  2. MayFly
Performance*
  1. MayFly
  2. It’s one

*pra ser sincera, os grupos estão virtualmente empatados pra mim TT_TT cada vez que eu reassisto, mudo meu ranking porque gostei igual

Cambs

Vocal
  1. It’s One
  2. MayFly
Rap
  1. It’s One
  2. MayFly
Performance
  1. MayFly
  2. It’s One

**a verdade é que eu fiz isso por ordem que assisti porque todo mundo é primeiro lugar pra mim ok obrigada

Sam

Vocal
  1. Em breve
Rap
  1. Em breve
Performance
  1. MayFly
  2. It’s One

E isso aqui é um programa da Mnet então o que não pode faltar é… treta, obviamente. Nós mencionamos o assunto lá no nosso KPTN 35, mas não dá pra passar sem falar rapidinho da polêmica com COVID-19 que a Mnet passou por essa quinzena porque olha… rapadura é doce, mas não é mole não.

Mas rapidinho aqui: um backdancer da equipe It’s One, que trabalhava mais com o The Boyz, testou positivo para COVID-19 e TODO MUNDO precisou ser testado, tanto os meninos do It’s One quanto os do MayFly, porque precaução é sempre importante. Felizmente, o resultado de todo mundo foi negativo. MAS, infelizmente, por terem ficado em contato próximo do dançarino, DK do iKON, Taeyang do SF9 e Juyeon do The Boyz precisaram entrar em quarentena de 14 dias.

O problema principal disso tudo é que como apenas a final será ao vivo, e que rola na primeira quinzena de junho, a Mnet resolveu que não precisa alterar a programação… Então, é, os três grupos que entraram em quarentena e perderam uma quinzena de ensaio para a final são os três grupos da parte de baixo no ranking do programa. Porque já estava tudo ótimo, não é mesmo? A gente sabe que a Mnet não liga para os grupos presentes ali e que ela ameaça empresa pra poder fechar elenco, mas poderia pelo menos dar uma fingidinha, né.

ENFIM, o importante é que a final está perto (finalmente) e que todos estão livres da COVID-19. Inclusive o período de quarentena dos meninos já terminou. Esperamos que os grupos possam se recuperar do tempo fora dos ensaios e que todos os 6 grupos do programa continuem a fazer a parte mais importante desse show: apresentar coisa boa, se divertir no palco e interagir entre si… Principalmente interagir entre si porque a gente tá VIVENDO pelas amizades e adoções feitas aqui, é isso.

Kingdom: Legendary War é exibido às quintas-feiras, 7h50 da manhã, com transmissão ao vivo no canal da Mnet no Youtube. O episódio fica então disponível com legendas em inglês no Viki e 7 fanbases se organizaram para fornecer a legenda em português. Todo processo das legendas leva de 1 a 2 dias para ficar disponível.

One thought on “Especial Kingdom: Legendary War – No Limit (parte 1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *