Análises

Não existe queerbaiting no (k-)pop. Todo (k-)pop é queer.

O pop como o conhecemos hoje foi codificado, encarnado, transformado em filosofia, por um homem gay – e, mais do que isso, um homem cuja sexualidade influenciou de maneira decisiva a arte que produzia. Falo de Andy Warhol, é claro, o homem que transformou para sempre a história da arte

Continue lendo