GOT7: 2021 foi o ano dos solos
Listas

O ano dos gotinhos: Rankeando os solos do GOT7 em 2021

Se teve uma fanbase que viveu emoções em 2021, foi a Ahgase, do GOT7. Já em janeiro, os meninos anunciaram que iam deixar a sua gravadora, a JYP Entertainment, visto que o contrato de todos havia expirado. No mês seguinte, em fevereiro, “Encore” foi revelada como a primeira canção dessa nova fase do grupo fora da casa original.

Da esquerda pra direita, de cima para baixo: Bambam, Jackson, Jinyoung, Jay B, Youngjae, Yugyeom, Mark | Fonte: Twitter pessoal de cada membro.

Daí em diante, o ano foi repleto de lançamentos solo de todos os sete integrantes do grupo. Mas agora que já estamos em 2022, qual foi o saldo de tudo isso? Bom, em nome do KPT eu decidi “raspar o tacho” dos solos do GOT7 em 2021, deixando de fora só alguns projetos colaborativos (a Panthepack de Jackson Wang), singles de musicais e OSTs, e brincar de escolher favoritos.

Não me matem, Ahgase! Vamos discordar com respeito!

11. Youngjae – “Walk with Me”

Aqueles tecladinhos de música de Natal™ são um bom começo (para mim, ok, eu gosto de música de Natal!), mas “Walk with Me” não fica à altura das baladas clássicas dos anos 1990, principalmente porque não serve um gancho de qualidade durante 4 minutos de canção.

Dito isso, é uma boa música para ouvir em volta da lareira (isso existe no Brasil?) e aproveitar o tom agradavelmente estridente do Youngjae, especialmente se ele é o seu gotinho preferido.

10. Mark Tuan – “Last Breath”

Pois é, gente, eu também queria muito gostar de “Last Breath”. Até citei essa música no meu artigo sobre homens falando de relações abusivas no k-pop, porque a letra é genuinamente dilacerante.

O problema para mim é que, aqui, ele tentou emular um R&B contemporâneo representado principalmente por figuras como The Kid LAROI, que estourou com sua “Stay” no ano passado, e eu acho que falta a esse tipo de música… algo de mais humano, sabe? Toda aquela verdade da letra, eu não sinto na produção.

Mas fiquem tranquilos que tem coisa do Mark bem mais para cima na lista!

9. Youngjae – Colors from Ars

A title do primeiro disco solo do Youngjae, “Vibin’” é provavelmente o R&B mais genérico entre os lançamentos dos gotinhos esse ano, mas a boa notícia é que o Colors from Ars tem muito mais a oferecer do que essa faixa.

Eu, particularmente, sou fã de “Tasty”, que inclusive tem cara de single com seu teclado lisérgico e sua linha melódica setentista à la Bruno Mars; e de “Moonlight”, que aproveita as belas modulações da voz do rapaz em uma produção soul impecável. Mais disso, por favor!

8. BamBam – RiBBon

Que o BamBam tenha se mostrado o idol mais idol do GOT7 na carreira solo não é tanta surpresa. O jeitinho bem-humorado e o carisma relaxado dele sempre foram um trunfo na carreira do grupo e se traduzem muito bem, obrigado, para essa trajetória solitária.

E as músicas são legais, sim! Do balanço quase bossa-nova da faixa título ao EDM mais franco de “Pandora”, o RiBBon entrega o cardápio variado que nós, k-poppers, estamos acostumados a receber. O que faltou para mim foi um pouquinho mais de audácia na produção, e uma noção melhor de como usar a voz do moço. Mas levo fé que a gente chega lá.

7. Jinyoung – “Dive”

Quem é que tinha “Jinyoung fazendo um rockzinho” no bingo do k-pop em 2021? Eu definitivamente não tinha, mas ainda bem que ele fez.

A vibe de “Dive” é muito agradável, muito veraneio – o que estou dizendo é que essa música poderia estar em um disco da Colbie Caillat se ela fosse mais liberal com a guitarra elétrica. O grave do center do GOT7 também é muito bem utilizado aqui, mas aos poucos a canção vai ficando repetitiva – faltou algumas cartas na manga aqui, né?

6. Mark Tuan x Sanjoy – “One in a Million”

De forma não tão diferente de “Who Are You”, do BamBam – que está logo aí embaixo no post – “One in a Million” aposta em um tom sóbrio e climático para fisgar o ouvinte para o seu feitiço. E não é que funciona?

Com um sintetizador grave que lembra bons momentos do synthpop ocidental, a canção usa bem o grave pesaroso de Tuan, e inclusive parece ter servido de lição – as músicas que ele lançou em 2022 até agora, como “Lonely” e “My Life”, seguem bem mais a deixa dessa aqui do que daquela outra do ano passado.

5. BamBam – “Who Are You” (feat. Seulgi of Red Velvet)

Se há um estudo de caso perfeito para até onde o pop inofensivo (mas bom!) do BamBam pode ir, é a climática “Who Are You”.

Levada por violão, um teclado ressonante e uma batida de trip hop indefectível, a parceria do nosso tailandês favorito com a sempre impecável Seulgi carrega o ouvinte para todo um universo sonoro e lírico próprio, e precisa se tornar o blueprint para o futuro da carreira solo do BamBam – é só uma pena que ela termine tão rápido.

4. Jay B – SOMO: Fume

O nosso líder passou pertinho de ficar com o pódio, mas não se engane: se você curte um bom R&B, pode dar play no SOMO: Fume sem medo.

Sabe a vibezinha agradável e a produção polidíssima da title “B.T.W.”, parceria com o Jay Park? É isso aí o disco todo. E assim, bom pra ele! Ele tá seguindo o coração dele! O disco chama SOMO (Sound of My Own, “o meu próprio som”) por um motivo! 

A tracklist está cheia dos amigos do moço, incluindo a linda da Wheein, mas curiosamente foi a única faixa totalmente solo, “Count on Me”, que conquistou meu coração. E foi o violãozinho, sabe? Aquela vibe Justin Timberlake/JoJo circa 2006. Ali ele foi engenhoso.

3. Jackson Wang, Internet Money – “Drive You Home”

Pois é, chegamos nele

Enquanto em outro lançamento de 2021 o Jackson mandou uma new wave (e a partir disso você já deve saber em que posição ela foi parar nesse ranking), em “Drive You Home” o rapaz meteu uma música doída do Goo Goo Dolls com aquele saborzinho adicional do sintetizador. Se você é mais novo que eu (i’m old, i know), talvez tenha pensado no pessoal do novo emocore, como Machine Gun Kelly e Yung Lean, e tá tudo bem: faz tudo parte do mesmo contínuo pop, não é mesmo?

2. Yugyeom – Point of View: U

Dos gotinhos que arriscaram um álbum em 2021, o main dancer e maknae Yugyeom definitivamente entregou o trabalho mais sólido e interessante. 

Como alguns de seus colegas, ele investiu pesado no R&B – e se mostrou tranquilamente o membro do GOT7 mais confiante dentro desse espaço. A title do Point of View: U, “All Your Fault”, tem um dos ganchos mais viciantes do k-pop em 2021, dando o tom para um disco de produções densas e melodias intrincadas, além de performances vocais sólidas e tremendamente expressivas.

Tudo deságua na quase-folk “When U Fall”, uma balada modulada em R&B que mostra a tremenda inventividade de Yugyeom como artista. Estreia muitíssimo promissora.

1. Jackson Wang – “LMLY”

Você não pode me dar uma música inspirada pelo new wave e esperar que eu não a coloque no topo de um ranking. Não é assim que funciona.

Para mim, honestamente, está tudo na sucessão rápida dos sintetizadores graves no fundo (pam-pam-pam-pam pam pam pam pam-pam), replicado pelo Jackson no vocal em vários versos, especialmente no pré-refrão. Ah, e o alongamento evocativo do final de cada linha do refrão, que deixa o “you” do “leave me loving you” respirar longamente antes do retorno da voz.  Em algum lugar (do Reino Unido, ele não tá morto não), o Simon Le Bon do Duran Duran está sorrindo com essa música toda.

E se o Simon Le Bon está sorrindo, quem sou eu para não sorrir?

Leia também:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: