Análises, Série Reino (Mnet)

Queendom 2: Run the world – Reino FANtástico

Chegamos à ultima etapa antes da final ao vivo do Queendom 2: Run the world, e as participantes não mediram esforços para entregar performances incríveis para seus fãs.

Brave Girls | Divulgação Mnet

No ranking de performances mais esperadas na série Reino, em primeiro lugar ficam os covers, em segundo estão as units e em terceiro, com certeza, ficam as performances para os fãs. Chamada de “Caixa de FANdora” na primeira temporada e “NO LIMIT” na terceira, o nome para a etapa dessa vez foi “Reino FANtástico” e realmente foi isso que entregou.

A premissa do Reino FANtástico era de apresentar músicas sugeridas pelos fãs. Pra continuar nossa linha de exemplos das temporadas anteriores, podemos citar “Eyes, Nose, Lips” da Park Bom, “Spring Snow + Shine” do Pentagon (com um leve toque de trauma [inside my mind]) e “God’s Ddu-du-ddu-du” do Stray Kids (que rendeu Aquela Interação Lendária com o Ryan Reynolds)

Cada participante deu jeito de encontrar seus fãs para colher essas informações e ver as histórias foi muito bonitinho. Por exemplo, o Kep1er convocou os fãs para uma aula de coreografia como câmera escondida, ensaiaram junto deles escondidas e depois de revelar a pegadinha, conversaram com os fãs e foram consoladas pelas palavras calorosas dos Kep1ian presentes.

Brave Girls e Cosmic Girls fizeram lives para conversar com os fãs e ouvir a sugestões. Na verdade, o WJSN achou que seria uma live, mas a Starship preparou uma surpresa, levando alguns fãs (Ujung) de modo presencial. Elas também aproveitaram pra apresentar a Bona de volta no grupo. As Brave Girls já tinham uma ideia de qual música queriam apresentar graças à pesquisa prévia que a Brave fez com os Fearless, então a live foi mais para garantir que caminho elas seguiriam.

Algo semelhante foi como Hyolyn determinou sua música da vez. No caso, ela fez convites à mão que foram enviados para seus Bae para um showzinho acústico numa tarde agradável. Ela apresentou duas faixas e pediu para que votassem entre as duas.

Já o VIVIZ e o LOONA optaram por um conceito de café para encontrar seus fãs. Com o LOONA, os Orbit preparam videos e bilhetes para elas mostrando seu apoio de todo canto do mundo e com muita sinceridade. Quanto ao VIVIZ, as membros prepararam bolinhos de arroz e kits de produtos de beleza para entregar a um grupo seleto que foi ao café. E foi lá que elas ouviram as indicações dos Na.v e suas palavras de consolo.

Como sempre, esses momentos de interação das participantes são melhores do que qualquer outra coisa. É uma pena que elas tenham que ser classificadas com tantos critérios subjetivos para conseguir o primeiro lugar. Se dependesse da gente, todo mundo ficava em primeiro 😔

No mais, bora pro nosso ranking?

Favoritos da equipe

Hyolyn – See Sea, Bae

Sam

O problema em atingir o ápice é que, na maioria das vezes, ele é o máximo que se pode chegar – é isso, o que tinha de ser feito foi feito e o resultado foi excelente, mas acabou. No caso de Hyolyn, que desde o começo do programa vinha excedendo expectativas que nem sabíamos que existiam, o limite vinha sendo empurrado mais e mais alto, e semana após semana assistimos a ascensão (inclusive a literal) da solista. A pergunta que ficava era “Mas será que ela vai escorregar em algum ponto?”. A resposta é um belo de um “não”. Mas a coisa sobre chegar no topo é que, bem, não tem lugar além dele. É o topo. Acaba ali.

Me ofendendo pessoalmente ao ignorar o catálogo de verão do SISTAR, aqui Hyolyn manteve sua imagem como artista solo e performou See Sea, uma das faixas de verão do seu catálogo. Trazendo a ideia criativa de um set que chega numa estação litorânea, a cantora se utiliza do framing device para criar uma narrativa bonitinha sobre o poder que a música tem para nos ajudar a escapar, mas nunca deixa que o foco saia do que importa: ela. Sua habilidade como entertainer segue imbatível e sua voz é absurda como sempre, encantando com os tons suaves e quase doces do refrão. A dança mantém o espectador engajado e o break não pareceu tão abrupto dessa vez. Hyolyn está lindíssima com seu estilo praiano neon e o óbvio prazer que ela sente em se apresentar fica claro através de suas expressões. É uma performance correta, bem-feita, que faz o que precisa fazer de forma adequada. Mas… é a Hyolyn, né?

Logo na primeira rodada, a mulher chegou com sua absurdamente cativante versão do maior hit do SISTAR para dizer quem é que manda. Depois ela não só resolveu dar vida a uma música questionável de um grupo com quinhentas integrantes, como também o fez pendurada do teto porque ela podia. E agora… É bom, é legal, mas não é Touch My Body, não é Why Not + PTT, não é uma daquelas performances que nos deixou boquiabertos e sem entender a razão de colocarem outros idols num programa que claramente foi feito para exaltar o talento e carisma de Hyolyn. É o problema de chegar no ápice. Ela chegou lá e não tem mais para onde ir. Vindo de outro artista, talvez BAE + See Sea fosse seu auge, o clímax de sua jornada no programa até agora; vindo de Hyolyn, é uma ótima apresentação que nos deixa com saudades de quando ela nos entregou excelência. Muito bom, mas nós sabemos que ela sabe fazer melhor – ela nos mostrou isso.

LOONA – Butterfly

Cambs

Na verdade, eu ia falar da Hyolyn porque eu acho um crime o jeito que essa mulher te envolve com qualquer coisa que ela faça, mas aí o LOONA mandou Butterfly e apesar dos pesares eu vim aqui pra defender elas, porque Butterfly é simplesmente Aquela Vadia da discografia do LOONA. Então, vou começar já com as gongadas antes de passar pra parte boa porque… meu sonho é o fim de remix mal feito na série reino da Mnet. Sem condições. Parem de remixar as músicas se vocês não sabem o que vão fazer com elas! E, se sabem, não tá parecendo. Funciona em partes, e se perde em outras, então fica ai o meu apelo.

O segundo ponto mais negativo é que com as mudanças de coreografia, também me pareceu que por alguns momentos as meninas não sabiam o que fazer? Quer dizer, elas provavelmente sabiam por que elas ensaiaram, e talvez tenha sido nervosismo na hora de apresentar, ou coisa assim, mas alguns dos elementos simplesmente existiram, alguns não deveriam existir ali e outros a gente entendeu o conceito.

Provavelmente foram esses pontos meio “Meu Deus, o que faço agora?” que tiraram um pouquinho todo o poder que Butterfly poderia ter. Mas também não foi uma performance ruim (se você acha que foi, bom pra você, viu). Elas fizeram isso pros fãs, meteram a lore delas no palco, cantaram a maior música da discografia delas (junto de Eclipse e Egoistic, um beijo pra elas também) e estavam lindíssimas o tempo todo. A volta da coreografia original no segundo refrão foi ótima, mesmo com o probleminha do remix nessa parte né, rs.

Butterfly originalmente era um chute sutil na sua cara, e embora a gente sempre espere coisas espalhafatosas na série reino porque a Mnet simplesmente é assim, essa rendição manteve grande parte do chute suave e da magia etérea que a música tem. Algumas escolhas tiraram um pouco de todo o brilho que a brabuleta poderia ter, mas ela brilhou mesmo assim, e foi uma ótima pedida do hino emocional do fandom.

Então, o meu ponto extra antes de encerrar é: vocês viram a Vivi nos dois segundos dela? Viviane do céu!! Um beijo pra ela. (E pra GoWon, e pra Choerry e pra JinSoul)

Brave Girls – Red Sun

Caio

A performance de “Red Sun” das Brave Girls no Queendom é a celebração mais bonita, e provavelmente a definitiva, da virada de carreira e da trajetória vitoriosa delas. Em 6 minutos interrompidos por interlúdios curtos exibidos em um telão, as integrantes e o corpo de dançarinos estruturam um verdadeiro espetáculo de balé (a vibe é mesmo de O Quebra-Nozes) em tributo e exaltação dessa volta por cima.

Não é à toa que os sapatos brilhantes usados pelas integrantes sejam um foco da narrativa da performance: poucas vezes antes se viu uma história de Cinderela tão perfeita no k-pop. Resplandescentes em seus vestidos florais, as Brave Girls mostram que não é preciso acrobacia para encantar na dança (a elegância delas é o que fica mais evidente durante as partes mais intensamente coreografadas), e desfilam os vocais impecáveis de sempre.

De fato, por mais que a Minyoung tome à frente na gritaria, o tom da Yuna também me deixou encantado durante toda a apresentação. Enfim, elas venceram, continuam vencendo e é uma sensação muito gostosa, de quentinho no coração, vê-las no palco. Stunning. “Look at me now”, de fato.

Cosmic Girls – Pantomime

By

Pantomime está LOOOONGE de ser uma das minhas músicas preferidas do WJSN e só eu e Sammy sabemos o quanto a gente lamentava semana após semana ao ver que as garotas cósmicas não iriam apresentar Secret no programa. Quando o episódio 8 saiu, dei play na performance de Pantomime pensando “será que vão me fazer gostar dessa música?” e a resposta foi… bem, vocês estão vendo.

Com grande inspiração em musicais como “O Rei do Show”, “Chicago” e “Cabaret” que trazem aquele aspecto de festival pro palco, o Wuju claramente foi com unhas e dentes tentar agarrar as posições mais altas do ranking.

Duas coisas ajudaram a elevar a performance delas meio que indiretamente. A primeira foi o fato da linha de vocal ter pego a primeira posição na batalha de units, fazendo com que elas soubessem que era sim possível ganhar da Hyolyn de alguma forma. A segunda e mais estratégica foi a volta da Bona. Uma das mais velhas do grupo, a gente sabia que ela voltaria na metade final do programa, mas agora foi toque de mestre.

Pra quem não sabe, a Bona ficou fora do programa porque estava gravando novela e as agendas batiam. Que novela? Nenhuma menos que Vinte-e-Cinco, Vinte-e-Um (disponível na Netflix Brasil), uma das mais populares mundialmente nesse primeiro semestre. Especialmente seu personagem, a segunda protagonista Ko Yurim, era muito amada, então se faltava um pinguinho de carisma pro WJSN terminar de conquistar o público, agora não falta mais.

Até porque a Bona é center do grupo e uma das vocalistas principais, então ela segura muito bem a performance, com o perdão do trocadilho, centralizando o foco como um imã. As próprias meninas do grupo se sentiam mais confortáveis tendo-a por perto novamente, em seu “emprego original” como ela mesma falou várias vezes ao longo do episódio, e deu gosto de ver esse Wuju 90%* se apresentar.

Sendo assim, é claro que tudo se encaixou, não é mesmo? E descrentes como eu acabaram não apenas aprovando a escolha de música como voltando para ela muitas vezes, mais do que jamais imaginaram. Fonte: confia.

*WJSN 90% é como algumas mídias têm se referido ao grupo, porque 9 das 10 membros estão presentes (é isso que vocês estão vendo, as chinesas totalmente excluídas embora até hoje não tenha uma separação definitiva dessa line do grupo). Os 10% que falta é a Dawon, que está de licença saúde desde o início do ano.

Demais performances

Ranking

A pontuação total da 3ª etapa consistia das notas de unit e do Reino FANtástico, somando 20.000 pontos que poderiam reverter as classificações. O único grupo que conseguiu usar bem esses pontos foi o Brave Girls, que pulou pra 3° na classificação geral, mas quem se deu melhor foi o Cosmic Girls, que cortou a diferença pra Hyolyn para pouco mais de 1.000 pontos deixando a final altamente interessante, especialmente porque a pontuação do último episódio vai ser muito alta (vocês podem ver mais pra baixo os detalhes).

E falando na pontuação da final, todos esses 20.000 pontos são exatamente o que a galera pode ganhar em digitais na final, então ainda dá tempo do VIVIZ dar um salto na classificação, visto que a música delas provavelmente foi a melhor colocada. Descobriremos quinta.

Parcial

  1. Brave Girls
  2. WJSN
  3. LOONA
  4. Hyolyn
  5. VIVIZ
  6. Kep1er

Parcial geral

  1. Hyolyn
  2. WJSN
  3. Brave Girls
  4. VIVIZ
  5. LOONA
  6. Kep1er

Ranking da equipe

By

  1. WJSN
  2. Brave Girls
  3. Kep1er
  4. Hyolyn
  5. VIVIZ
  6. LOONA

Cambs

  1. Brave Girls
  2. Hyolyn/WJSN
  3. LOONA
  4. VIVIZ
  5. Kep1er

Sam

  1. Brave Girls
  2. Hyolyn
  3. WJSN
  4. VIVIZ
  5. LOONA
  6. Kep1er

Caio

  1. Brave Girls
  2. Hyolyn
  3. WJSN
  4. VIVIZ
  5. LOONA
  6. Kep1er

Agora só nos resta a apresentação final ao vivo, que poderemos assistir no Youtube como sempre. Cada participante irá apresentar as músicas que lançaram exclusivamente para a final e a pontuação digital do Spotify que foi feita até dia 30/5 contará pontos na nota final. E como vai ser a pontuação da final? Bem, já sabemos:

  • 5.000 pontos daquela conversão de visualizações e likes nos vídeos ao longo da temporada**
  • 5.000 pontos da pré-votação de fãs na comunidade da Mnet ao longo da temporada**
  • 20.000 pontos digitais das músicas da final
  • 30.000 pontos da votação ao vivo
  • Total: 60.000

**Toda contagem válida foi feita 4 dias após a publicação do episódio e/ou dos vídeos no Youtube.

A gente ainda não sabe como vai ser a votação ao vivo pro público internacional, nem se vamos poder votar. Na temporada anterior, ao vivo só podia voto via SMS, daquele jeito >CERTINHO< que a Mnet faz, com contagem percentual e a palhaçada toda de sempre.

O que pudemos fazer foi ouvir as músicas no Spotify, que foi parceira oficial do programa nessa final. Inclusive, quem vencer o programa vai ficar de capa de playlist da plataforma, olha que super prêmio 😬 Vamos deixar a playlist abaixo, mas o critério foi: você só podia ouvir as músicas na playlist oficial do programa, só valia ponto a primeira música que você colocasse pra tocar e também só valia tocar UMA VEZ por conta. Ou seja, foi um esquema de “ouvinte único” ao invés de stream.

Não ficou claro se as outras plataformas coreanas contariam para a pontuação digital. Algumas traduções davam a entender que sim, outras que não então era mais seguro pensar que o único válido era a ouvida pelo Spotify mesmo.

Aqui no KPT, voltaremos em breve para comentar as performances da final e a vencedora da vez!

O Queendom 2: Run the world é a 4ª temporada da série Reino da Mnet. Seus episódios foram exibidos toda quinta-feira às 9h20 no horário de Brasília pelo Youtube e posteriormente disponibilizados no Viki com legendas em inglês. Sua final acontece em 2 de junho de 2022 e a vencedora terá direito a um show de comeback com transmissão internacional.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: